29 de set de 2007

Calma e Elegância

Zeca Baleiro

Enquanto o mundo pira eu paro
Pra pensar no que fazer
Se você se retira eu fico
Pensando no que vai acontecer
Calma e elegância
Não quero virar
Passageiro de ambulância
Calma e elegãncia
O amor escreve carta
Porque mora a léguas de distância
No meio da farsa eu faço
Força pra nao me arrepender
E mesmo se estou cego eu sigo
Um dia quem sabe eu venha a ver
Calma e elegância
Não quero virar
Passageiro de ambulância
Vida comizinha
Vem comer na minha mão
Vou cruzar a linha do horizonte
Bangaré
Vãos-se os dedos e os anéis
Ficam os acenos
Uns com mais e uns com menos convicção
A certeza é uma mesa
Pasta junto ao cume do vulcão
Foto: Rita 3Luís Mendonça

Nenhum comentário:

Related Posts with Thumbnails