18 de jul de 2010

Colada à tua boca a minha desordem


Hilda Hilst

Colada à tua boca a minha desordem.
O meu vasto querer.
O incompossível se fazendo ordem.
colada à tua boca, mas
escomedida
Árdua
Construtor de ilusões examino-te
ôfrega
Como se fosses morrer colado à
minha boca.
Como se fosse nascer
E tu fosses o dia magnânimo
Eu te sorvo extremada à luz do
amanhecer.






Ao som de Ney Matogrosso (Mal necessário)
Foto: James_n_Lesley_4

Nenhum comentário:

Related Posts with Thumbnails