30 de mar de 2008

Deixa-me amar-te

Lya Luft

Deixa-me amar-te com ternura, tanto
que nossas solidões se unam
e cada um falando em sua margem
possa escutar o próprio canto.

Deixa-me amar-te com loucura, ambos
cavalgando mares impossíveis
em frágeis barcos e insuficientes velas
pois disso se fará a nossa voz.

Deixa-me amar-te sem receio, pois
a solidão é um campo muito vasto
que não se deve atravessar a sós

Foto: Saudade de José Vaz Meneses
Enviado Por Nara Centeno



Nenhum comentário:

Related Posts with Thumbnails