24 de nov de 2009

Idéia Fixa


Itamar Assumpção

Um canto desesperado
Vai rasgando minha vida
Não posso ficar calado
Permitindo que se diga
Assim de mim por aí
Pirou de vez isso aquilo vive infeliz
Desvio da natureza é incapaz
Só pode ser por drogas demais
Alcoolismo, pura fraqueza
Tem noite sinto no peito
Uns dez balaios de gatos todos pretos
Ave maria credo em cruz
Esconjuro clamo jesus
Rezo, canto como se cantasse
Um hino ou um blues
Como alberta hunter clementina de jesus
Eterno amor peito em chamas arde tanto
Quem é que te destina ternuras
A dor vai dar misteriosamente na mesma certeza
Ser uma sina a loucura
Eu enchi de contras até a tampa meu baú
Só com tragédias urbanas gregas e troianas
Coloco meu sobretudo sobre mim lhufas quero saber
Sobre nada disso ou daquilo
Nem mel nem fel
Simples sou o maior trivial de que se têm notícias
Quem sou porém convém explicar muito bem meu bem
Eu vou dizer de uma vez por todas
Já tive muitos critérios
Hoje só vários delírios ativos cultivo em mim
Resolvi levar a sério o riso
Ao sair dum cemitério e eu estava bem vivo
Quem sou eu ainda não sei que canto porque gosto
Talvez negócio de quem não tem bom juízo
Mas lembrem-se astronautas eram deuses
Rola, existe disco laser, outros mundos, outras galáxias
Nunca foi a teoria idêntica com a prática
Som luz luz som
Acendo com fósforos velas contra as forças ocultas
Nos vídeos, nos palcos

Nenhum comentário:

Related Posts with Thumbnails